Aberta nova oportunidade para municípios participarem do Estudo Longitudinal do PIM

O impacto do Primeira Infância Melhor (PIM) na vida das milhares de crianças acompanhadas pelo programa será conhecido a partir de uma pesquisa inédita no no campo das políticas públicas do Brasil. O “Estudo Longitudinal do Programa Primeira Infância Melhor”, já iniciado em algumas cidades do estado, pretende avaliar cerca de três mil crianças gaúchas de até três anos de idade, abordando aspectos do desenvolvimento motor, intelectual, social, emocional e de linguagem, além de questões de saúde, educação e inserção no mercado de trabalho. Os municípios interessados em participar da pesquisa devem entrar em contato com a equipe técnica estadual do PIM até o mês de abril deste ano.

De acordo com a coordenadora estadual do Primeira Infância Melhor, Gisele Silva, a pesquisa é essencial para qualificar o PIM e contribui na criação e implantação de políticas públicas voltadas à primeira infância. “Uma avaliação rigorosa do programa é importante pois a viabilidade e o impacto de políticas públicas baseadas em programas de visitação domiciliar têm sido amplamente debatidos no país e no mundo. Desta maneira, possibilita melhor investimento governamental na temática”. Uma das principais referências em programas de desenvolvimento infantil na América Latina, o PIM já beneficiou mais de 208 mil crianças, 48 mil gestantes e 177 mil famílias no Rio Grande do Sul desde 2003.

Para a realização deste estudo, é preciso a participação  de municípios que estejam em fase de implantação ou expansão do atendimento do PIM para novos bairros ou comunidades. Entre os benefícios para os participantes, está a apresentação formal dos resultados dos indicadores de desenvolvimento infantil e acompanhamento pontual pela equipe do PIM e FGV. Além disso, a participação na pesquisa visa contribuir na qualificação e fortalecimento das ações do PIM nos municípios.

A pesquisa possui diferentes etapas e inclui um workshop (seminário prático) com pesquisadores da FGV EESP Clear para uma explicação detalhada sobre a pesquisa e definição da região de coleta de dados.

O estudo, que prevê resultados iniciais nos primeiros anos de aplicação, é resultado de parceria da Secretaria Estadual da Saúde (SES), Centro de Aprendizagem em Avaliação e Resultados para o Brasil e a África Lusófona da Fundação Getulio Vargas (FGV EESP Clear), Fundação Maria Cecília Souto Vidigal (FMCSV) e o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID).

Mais informações e inscrições:

Os municípios interessados em participar da pesquisa longitudinal e/ou em obter mais informações podem entrar em contato com o Primeira Infância Melhor (PIM) através do e-mail pesquisapim@saude.rs.gov.br ou pelo telefone (51) 3288.5588, com Karine Verch.