Educação reforça base do PIM de Porto Alegre

O programa Primeira Infância Melhor – Porto Infância Alegre (PIM PIA) , vinculado à Secretaria Municipal de Saúde (SMS), agora mantém capacitações permanentes para os visitadores, com encontros semanais de duas horas, como ocorreu nesta quarta-feira (6) para cerca de 50 participantes. Esta ampliação do atendimento se tornou possível com a participação de duas servidoras da Secretaria Municipal de Educação (Smed) no Grupo Técnico Municipal do programa. 

O conteúdo, transmitido pela professora da rede Fernanda Camargo Silva, é depois conferido na prática pela pedagoga e assessora de comunidades Vera Regina Souza da Cruz, que incentiva o acionamento das redes de apoio – outro trabalho que vem se destacando.

O PIM é um programa estadual, desenvolvido há 15 anos em Porto Alegre por meio da Secretaria Municipal de Saúde. Consiste em visitas semanais a famílias com crianças de zero a cinco anos com alto grau de vulnerabilidade social. Em cada encontro, são propostas atividades lúdicas, com foco no estímulo ao desenvolvimento cognitivo, psicomotor e emocional da criança e, sobretudo, no fortalecimento do vínculo entre mãe e filho. São utilizados brinquedos confeccionados pelos próprios visitadores, como jogos de cores, de memória e de encaixe, entre tantos outros. Cada visita tem 50 minutos de duração e inclui uma conversa de acolhimento, de avaliação da visita anterior e de detecção das principais necessidades. 

“O protagonismo da família é um dos aspectos em que insistimos nas capacitações continuadas, pois temos que sensibilizar sobre os benefícios das atividades para as crianças, e o visitador serve de facilitador”, explica a coordenadora do PIM-PIA, enfermeira Tatiane Bernardes. “A capacitação é importante para que a aplicação da metodologia própria do programa seja sempre lembrada e respeitada, além de funcionar como base para o planejamento das atividades”, complementa. Além da capacitação continuada, é feito um treinamento intenso aos visitadores iniciantes, de uma semana, para introdução às ações, aos objetivos e às regiões de atuação do programa.  

O trabalho em rede, fundamental para o atendimento integral da família, também vem evoluindo nesta nova fase do PIM em Porto Alegre. Durante o encontro, o visitador pode encaminhar a família aos demais serviços públicos municipais, como as unidades de Saúde, o Centro Regional de Assistência Social, o Núcleo de Apoio Sociofamiliar e o Serviço e Atendimento Familiar. “Na semana passada, evitamos que uma criança fosse enviada para abrigo ao conseguirmos vaga em escola integral. Como a avó toma conta de muitas crianças, essa seria destinada para adoção, não fosse o cuidado em creche”, contou Vera.

Também na semana anterior, a representante da Organização Pan Americana da Saúde no Brasil esteve em Porto Alegre para conferir o trabalho e acompanhou uma visita do programa às famílias assistidas na Vila Safira, no Alto Petrópolis, e no Lami, zona Sul de Porto Alegre. Haydee Padilha, coordenadora da Unidade Técnica de Família, Gênero e Curso de Vida da Opas, se mostrou impressionada com a melhoria do programa nos últimos dois anos, principalmente no alinhamento com as diretrizes do PIM estadual. 

Além da Educação, o Grupo Técnico Municipal é composto por dois integrantes das secretarias da Saúde, Desenvolvimento Social e Cultura. No momento, são 600 crianças atendidas, 60 visitadores ativos e 20 em treinamento, com atuação nos bairros Mario Quintana e Rubem Berta. Todos os visitadores são estagiários dos cursos de Enfermagem,  Fonaudiologia, Assistência Social, Psicologia, Pedagogia, Nutrição e Educação Física, entre outros.

Texto: Cristina Lac
Edição: Gilmar Martins
Fonte: PMPA