Iniciativa gaúcha passa a contar com reforço do programa Criança Feliz

mds-crianca-feliz-pim

Implementado há 14 anos no Rio Grande do Sul, o Primeira Infância Melhor (PIM) conta agora com reforço do Criança Feliz – programa federal de atenção à primeira infância.

Referência nacional no trabalho com a primeira infância, o PIM já atendeu 200 mil famílias e é reconhecido internacionalmente como fator de mudança na vida de milhares de crianças. As ações têm sido reforçadas pelo programa federal, cuja visitação domiciliar já está presente em 79 municípios gaúchos.

Além de comunidades quilombolas, famílias indígenas participam do programa federal, com atendimento dentro das tribos. Entre elas está a Aldeia Porteira Nrõzawi, em Tocantínia (TO), onde 17 famílias contam com o acompanhamento do Criança Feliz. O ministro ressalta que as visitas respeitam os hábitos e a cultura desses povos. “Temos o cuidado de capacitar os visitadores que atendem essas comunidades específicas com atenção ao contexto delas, falando inclusive a língua local”, destaca.

Idealizador do PIM quando era secretário de Saúde do RS e hoje ministro do Desenvolvimento Social, Osmar Terra explica que os primeiros mil dias de vida – foco do Criança Feliz – são o período mais importante na formação das competências e habilidades do ser humano. “Uma criança bem estimulada nesta fase terá notas melhores na escola, um emprego melhor que o de seus pais e uma melhor qualidade de vida no futuro”, reforça.

Coordenado pelo Ministério do Desenvolvimento Social (MDS), o Criança Feliz visa ao desenvolvimento integral na primeira infância. As ações se concentram em visitas semanais às crianças beneficiárias do Programa Bolsa Família, com idades entre 0 e 3 anos, e às de até 6 anos que recebem o Benefício de Prestação Continuada (BPC). Nos encontros, as famílias recebem informações sobre como estimular o desenvolvimento dos filhos, como foco em temas como saúde, educação, cultura e garantia de direitos.

Até o momento, 2.614 municípios aderiram à iniciativa, cuja visitação domiciliar já ocorre em 436 cidades. A expectativa do governo federal é atender cerca de 4 milhões de crianças até 2018.

Fonte: MDS


 

Comente