Oficina sobre Caderneta da Criança qualifica processos de trabalho em Canoas

A partir do objetivo de qualificar o processo de trabalho dos profissionais de saúde na atenção integral à criança, utilizando a Caderneta de Saúde da Criança, o programa Primeira Infância Melhor (PIM) e a Seção de Saúde da Criança e do Adolescente da Secretaria de Saúde do Rio Grande do Sul realizaram oficina voltada para visitadores, monitores e representantes do Grupo Técnico Municipal do PIM de Canoas na sexta-feira (26).

O encontro foi organizado e coordenado pela integrante do Grupo Técnico Estadual (GTE) do PIM, Letícia Ratkiewicz Boeira e pela integrante da Seção de Saúde da Criança e do Adolescente, Marília Ache Carlotto, que contaram com apoio da residente de Saúde Coletiva da Escola de Saúde Pública (ESP/RS), Débora Klitzke. Fizeram parte da programação do evento um teste sobre conhecimentos gerais relacionados à saúde da criança, desafios e estudos de caso envolvendo temáticas que estimulam a discussão e reflexão quanto a orientações presentes na caderneta.

Durante a manhã e a tarde de sexta-feira, 23 profissionais participaram da oficina e se apropriaram do uso da Caderneta da Saúde da Criança, que reúne informações e registros importantes para a vigilância integral à saúde infantil, visando fortalecer as práticas relacionadas ao cuidado na infância – do nascimento aos 9 anos de idade -, ampliando a comunicação entre famílias e os profissionais da rede de serviços. Estudante de Pedagogia e visitadora do PIM de Canoas, Fernanda Ramos Fernandes participou da oficina. “Foi uma experiência muito válida. Gostei bastante da didática e das informações sobre a caderneta”, disse.

O encontro surgiu da necessidade de aprimorar a utilização da caderneta, fragilidade apontada no relatório integrado de “Utilização da Caderneta de Saúde na Vigilância do Crescimento e do Desenvolvimento de Crianças Brasileiras na Primeira Infância” e “Compreensão do discurso profissional sobre a prática da vigilância do crescimento e desenvolvimento da criança na estratégia de saúde da família”, pesquisas feitas pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e Instituto Fernandes Vieira (IFF). Os estudos avaliaram a utilização adequada da ferramenta, incluindo o registro das ações e diálogo com a família para prevenção e promoção de saúde e a sintonia entre a forma de uso e os objetivos da caderneta.

A oficina é um projeto piloto previsto para ocorrer também no município de Esteio, na próxima sexta-feira (3), reunindo a equipe técnica municipal do Primeira Infância Melhor e Agentes Comunitário de Saúde (ACS), totalizando cerca de oitenta pessoas. Após essa etapa, a proposta é estender a oficina a outras cidades gaúchas habilitadas com o Primeira Infância Melhor e o Programa Criança Feliz (PCF).

A edição de 2019 da Caderneta de Saúde da Criança, disponibilizada pelo Ministério da Saúde, tem duas edições, cada uma com especificidades do desenvolvimento de meninos e meninas, com tiragem de 1.638.593 exemplares.

Confira a Caderneta de Saúde da Criança aqui