Ludicidade

O Brincar
 
O tempo perguntou ao tempo qual é o tempo que o tempo tem.
E o tempo respondeu ao tempo que o tempo tem o tempo que o tempo tem
“.
Dito Popular.
 

Brincar é coisa séria! Traz em si causa e efeito!

As brincadeiras nos dizem não só sobre as crianças, mas sobre nós mesmos. Todos fomos crianças, temos memórias sobre as brincadeiras e ideias sobre como as crianças devem brincar. Em função disso, muitas vezes, tentamos guiar e controlar o modo como às crianças brincam sem perceber que o prazer real delas é criar seu próprio jogo.

A criança é curiosa desde que nasce. Quer aprender a compreender seu mundo. Os primeiros anos de uma criança é o período de crescimento mais acelerado do cérebro durante sua vida. As primeiras experiências determinam o desenvolvimento do seu cérebro; as boas experiências promovem o desenvolvimento saudável. Quanto mais o cérebro trabalha, mais amplia sua capacidade. A aprendizagem inicial da criança prepara o terreno para seu êxito na vida escolar.

O brincar se coloca como algo natural à infância. É brincando que a criança aprende! Para a criança, o brincar se coloca como intrínseco a sua existência. Ela brinca durante as rotinas diárias; brinca durante as experiências educacionais que lhe são proporcionadas.

Considere um bebê que começa a brincar de esconde-esconde quando você puxa a roupa sobre sua cabeça. A menina de 1 a 2 anos que lê para sua boneca imitando a forma como você lê para ela. Ou a criança de 3 a 4 anos que faz rabiscos e marcas em uma folha de papel e anuncia com orgulho: “Escrevi meu nome”.

Às vezes pode parecer que não está acontecendo muita coisa. Preencher uma lata com pequenos objetos e depois despejá-los talvez pareça entediante para nós, adultos. Brincar com blocos pode parecer simplesmente um exercício de empilhar e derrubar. Mas, a brincadeira está repleta de oportunidades para a criança aprender e desenvolver novas habilidades.

Ao brincar, a criança utiliza todos os seus sentidos – audição, visão, paladar, tato, olfato e movimento, para coletar informações sobre o seu mundo. Mais tarde, a linguagem será outro meio de coletar informações, ela organiza essas informações, transformando-as nas primeiras imagens de si própria, outras pessoas e seu mundo.

O brincar é investigativo, exploratório, experimental. Isto possibilita a construção do conhecimento.

Para a criança, brincar e pensar é uma só coisa!

O mundo adulto não pode privar a infância do brincar, pois é através da brincadeira que a criança se relaciona, aprende e apreende o mundo a sua volta. A infância é boa quando (a criança) tem o olhar do cuidador e de outras crianças. Brincar com uma criança, nos faz nos aproximar dela.

Como abrir mão de algo que se coloca como essencial na relação da criança com o mundo?