Dia-dos-Pais-2016-alem-do-genero

Imagine que você acaba de perceber que algo diferente está acontecendo e descobre por um simples teste que engravidou. Você aguarda ansiosamente o passar dos dias, das semanas, dos meses. Mas mesmo com o transcorrer do tempo, você não ficou com mais sonolência, não aumentou o apetite, não teve enjoos, não sentiu mudanças hormonais, não sentiu os movimentos do bebê e o mais estranho: mesmo depois de nove meses a barriga não cresceu. Bate aquela insegurança, mas ainda assim o mundo parece ter mais cor e a vida, mais sentido. De repente, como por um milagre que parecia nunca chegar, você se vê com um bebê encantador nos braços – mas sem a dor do parto – e se depara com um misto de alegria, força e medo de não dar conta de tamanha responsabilidade.

Por mais inusitado que possa parecer, isso ocorre todos os dias. É mais ou menos assim que todos os pais passam a “gestação paterna” e suas peculiaridades. Não é estranho, então, que tantos acreditem que gestação é tema feminino. Quanto mais o homem se deixa envolver, mais intensa vê sua vida se tornar. Homens que, como a maioria, foram culturalmente limitados na infância a brincar com brinquedos ditos masculinos, não fizeram ensaios para cuidar de seus filhos quando chegasse o momento e se veem em apuros na hora H. Mas não há dificuldade que resista à emoção do fazer-se pai. Embora culturalmente o homem tenha sua participação restrita, no fundo, todo pai sente que sua função não é somente o brincar nem tampouco ajudar, mas corresponsabilizar-se no cuidado. E assim, eles aprendem a ser diferentes daquilo que o mundo e outrora eles mesmos pensavam de si.

A paternidade tem suas particularidades e cada pai tem suas singularidades. Todo pai já foi um bebê, já teve uma infância. Ao dar-se conta disso, seus conflitos mais profundos se manifestam revelando-se um ser vulnerável. Seus pais nunca mais serão os mesmos. As infâncias nunca mais serão as mesmas. O fazer e ser humano, tampouco. E, sob o olhar daquele pequeno ser indefeso, o homem constata que ele também nunca mais será o mesmo. Tudo porque ele não é mais somente homem. Agora, é homem e pai.

Márlio Esmeraldo