Durante o mês de outubro, o Primeira Infância Melhor (PIM) foi citado na imprensa gaúcha como importante referência da rede de serviços no enfrentamento às violências. O programa foi mencionado no “Redação TVE”, no RBS Notícias e na versão impressa da Zero Hora.

Na Zero Hora online, o PIM foi citado como exemplo de programa gaúcho voltado à primeira infância e aos direitos das crianças. O texto fala sobre a importância da abordagem integrada entre Saúde, Educação e Assistência Social, que o PIM adota. Elementos essenciais do trabalho do visitador são “apoiar as famílias, orientá-las em suas dúvidas, valorizá-las em suas iniciativas e propor atividades que incrementem a interação com as crianças”, explicou a notícia publicada dia 15, para marcar a Semana Nacional de Prevenção da Violência na Primeira Infância.

A matéria do “Redação TVE” inicia a menção com fala sobre a prevenção da violência ser um dos objetivos do PIM. A visitadora do PIM, Débora Souza, atuante no município de Guaíba, é entrevistada pela reportagem. “Realizar diálogo em conjunto com as famílias, não como alguém para ensinar, mas alguém para auxiliar e tendo em vista todas as particularidades da criança e da família”, explicou sobre sua atuação.

A reportagem falou ainda sobre o papel do programa em identificar as necessidades das famílias e potencializar as forças de cada uma no cuidado com as crianças. “Essa família tem acesso à alimentação, à renda, essa família tá empregada, a comunidade tem espaço pra brincar, tem transporte público”, são questões que o PIM procura observar, comentou a coordenadora adjunta do PIM Carolina Drügg. 

Na RBS Notícias, o PIM foi mencionado nos dois dias de transmissão da reportagem especial sobre o enfrentamento às violências na primeira infância. 

A primeira parte fala sobre iniciativas que apoiam pais e mães nos desafios da educação. A matéria consulta o psiquiatra Rodrigo Grassi para falar sobre a transmissão geracional da violência. É justamente esse processo que o PIM busca romper, explica Vanessa Fiorini, visitadora do PIM em Guaíba. O papel do programa é acolher as famílias e ajudar a “quebrar padrões não adaptativos que vêm de muitas gerações, tentar interromper algumas histórias que não são positivas” na educação e no cuidado com as crianças. 

No segundo dia, o enfoque foi a diminuição do número de denúncias de violência infantil, tendo o PIM como referência de rede de proteção. Na reportagem, é citada a denúncia que as visitadoras do PIM de Sant’ana do Livramento realizaram e contribuíram para salvar a vida de um bebê de 1 ano e 9 meses de idade que sofria de maus tratos. O alerta se deu após visitas presenciais semanais das visitadoras.

Acesse: